Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi

Gastronomia

O Sável



O Sável é um peixe oriundo das nossas costas marítimas e só desovam em março, abril e maio em águas doces.
Descem os rios nas primeiras águas de inverno até à foz do rio Douro, e os pescadores podem apanhá los no leito do rio em cardumes.
A captura deste peixe faz se com rede e proporciona ementas gastronómicas muito saborosas como Sável de Escabeche, Sável Frito, Sável dos pescadores e Ovas de Sável.
In Dr. Abel Barros | Diretor da Biblioteca Municipal de Gaia 

Broa de Avintes
 


São os padeiros(as) heróis de uma história que já remonta há séculos.
Eu, D. Dinis, que vivi entre 1261 e 1324 decreto: "Como são frequentes os incêndios na cidade do Porto e muitos deles acontecem em padarias, estas devem afastar se da cidade, de modo a
reduzi los. Devem passar para a outra margem, para Avintes, já que os padeiros, que utilizam o milho como principal produto, mandam no moer junto ao Rio Febros (afluente do Douro) pois aí se situam grande número de moinhos de milho.” Foi cumprida a ordem e a partir daí surgiu a Broa de Avintes.
Pão de mistura de farinha de milho e de centeio, de cor escura, com a particularidade de ser um pouco húmido, quase sem côdea e com um gosto muito característico. À saída do forno é coberta por fina camada de farinha, conserva se muito bem durante vários dias, sendo esta uma das suas principais características, para além do sabor muito especial.
Em 12 de Dezembro de 1821 diz se "…pão santo e bendito, símbolo da paz, pioneiro da alegria, apóstolo do amor, criador e fomentador de civilizações”.
Os padeiros(as) de Avintes constituem um ex libris, são seiva de uma indústria artesanal secular, que devemos manter, preservar e divulgar.
In Paulo Sá Machado Borunário Mor/ Presidente da Confraria da Broa de Avintes

Vinho do Porto



O Vinho do Porto pode ser envelhecido nas caves de Vila Nova de Gaia ou no Douro. O envelhecimento é orientado de forma diferente, consoante o tipo de vinho pretendido. Surgem vinhos com perfis marcadamente distintos Branco, Ruby, Tawny e Rosé mas todos com as marcas características do Vinho do Porto: um aroma rico e intenso, um travo prolongado emacio e um teor elevado de álcool.
Apesar de ser muitas vezes consumido em ocasiões especiais, não há razão para fazer cerimónia ao beber Vinho do Porto. Deve beber se sempre que houver vontade. Provar os sabores e aromas e descobrir as muitas e diferentes formas de o desfrutar. A essência do Vinho do Porto reside nos bons momentos uma boa refeição, um bom vinho, uma boa companhia…
Uma enorme diversidade de tipos, conferem lhe a singularidade de se adaptar a todas as ocasiões.
in Instituto dos Vinhos do Douro e Porto

Pão doce de romaria – "Velhotes”
 


Os "Velhotes” remontam aos finais do século XIX. Tiveram a sua origem em Valadares, trazidos por uma família de Braga, chegando aos nossos dias
É um pão doce, típico e incontornável da gastronomia gaiense que está sempre ligado às festas da freguesia, não podendo delas estar dissociado, com um nome que desperta a curiosidade de muita gente, mas que não existe explicação para a sua designação. Durante décadas, este pão doce era exclusivamente vendido, uma vez por ano e num único local, por altura das Festas em honra de Nosso Senhor dos Aflitos. Atualmente, os "Velhotes” vendem se quase todos os dias, em especial aos fins de semana, em muitos locais de Valadares e noutras freguesias.
Doce com um sabor caraterístico e inigualável, conferido pelos seus ingredientes, vendido em pás ou pastas, contendo quatro Velhotes, os quais devem ser "soltos” à mão e saboreados com um cálice de vinho do Porto ou uma qualquer bebida quente.
É um doce a preservar, promover e divulgar como produto de excelência do concelho de Vila Nova de Gaia.
in Armindo Costa | Chanceler da Confraria Gastronómica dos Velhotes