Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Eventos 05 a 08 Ago 2019 Gaiafolk '19 Casa-Museu Teixeira Lopes / Beira-Rio
De 5 a 8 de agosto vai decorrer o Gaiafolk ’19. Grupos da Sérvia, da Letónia, do México e de Gaia vão dar ainda mais colorido e animação à Beira-Rio.
O Gaiafolk é uma iniciativa do Município de Vila Nova de Gaia, em colaboração com o Rancho Regional de Gulpilhares, que visa fomentar o intercâmbio de tradições de diferentes regiões e países, num mundo cada vez mais "global”, dando a conhecer aos milhares de turistas, que todos os dias visitam Gaia e se deixam seduzir pelos seus charmes, a diversidade e a riqueza do património material e imaterial tão dignamente apresentados pelos grupos folclóricos participantes, nos seus trajes e adereços, bem como nas canções e danças que interpretam.
No Gaiafolk, o global encontra-se com o local em perfeita harmonia, aliando as exibições de grupos de folclore internacionais às tradições de Gaia e do Douro Litoral, com a apresentação de grupos folclóricos do concelho.

5 ago, 10h30 | Casa-Museu Teixeira Lopes / Galerias Diogo de Macedo
Receção aos grupos estrangeiros participantes


6 ago, 21h30 | Beira-Rio 

Grupo de Danças e Cantares de Serzedo - V. N. de Gaia 
"…perguntas d’onde eu moro minha terra é Serzedo terra de muito ramalho onde canta o cuco cedo…" 
A consciência da necessidade de manter vivas estas recordações levou à criação deste grupo, em 1983, tendo mantido um esforço em dignificar a nossa terra, realizando e participando em diversos festivais, quer em Portugal, quer também em terras de Espanha, tendo já inclusive animado programas televisivos. O grupo é formado por 22 dançantes, 14 tocadores, 11 figurantes e alguns cantores. Os instrumentos utilizados são o bombo, ferrinhos, reco-reco, cavaquinhos, viola ramaldeira, violão e concertina. Normalmente apresentam-se vestidos com trajes de trabalho, Romeira, Leiteira, Campo, mulher de cozer pão, traje de domingar, de oleiro e moleira, galinheiro, serandeiro, menina à macaca e moço dos pardais. O Grupo de Danças e Cantares de Serzedo encontra-se filiado na Federação do Folclore Português.


KUDŽ "Bratstvo” Subotica - Sérvia    
A Trupe Cultural e Artística dos Trabalhadores Rodoviários e Ferroviários "Irmandade" (Bratstvo) foi fundada a 1 de outubro de 1945, em Subotica, uma cidade junto à fronteira com a Hungria. Na sua génese, era composta por diversas secções como orquestra de metais, orquestra tamburitza, teatro e folclore.
Até aos nossos dias chegaram a orquestra tamburitza, composta por instrumentos de cordas tradicionais dos Balcãs, e a secção de folclore, participando com frequência em diversos festivais da Sérvia, bem como de Inglaterra, Alemanha, Bélgica, Hungria e Bielorússia.
Com cerca de 120 membros, o grupo agrega no seu reportório danças e cantigas tradicionais de toda a Sérvia, dando ainda destaque aos valiosos e autênticos trajes que envergam.

7 ago, 21h30 | Beira-Rio

Rancho Regional de Gulpilhares - V. N. de Gaia   
Fundado em 1936, o Rancho Regional de Gulpilhares é, sem dúvida, o mais notável embaixador do folclore da região a que pertence – Vila Nova de Gaia – junto à orla marítima.
Criado para recolher, preservar e difundir a tradição popular herdada dos seus maiores tem procurado, desde o início, manter-se fiel ao ideal que norteou os seus fundadores – a autenticidade das recolhas e a seriedade do espetáculo exibido. E aí reside, talvez, um dos aspetos mais apreciáveis do valioso trabalho desenvolvido por
este Grupo ao longo de tantos anos.
Oriundos de uma freguesia onde predominavam os trabalhos agrícolas, os componentes do Rancho Regional de Gulpilhares vestem dois trajos bem distintos: o da festa – reservado a actos solenes e de folgança e o de trabalho, destinado a tarefas diárias. As danças são numerosas e algumas bem conhecidas. A famosa "Rusga ao Senhor da Pedra”, o "Malhão” de Gulpilhares que tem corrido mundo - , os "Viras”, as "Pastorinhas”, "O Velho”, a "Cana Verde Vareira”, a "Ciranda”, o "Furta ou o Pai do Ladrão” e a maravilhosa "Tirana”, um regalo de ritmo e coreografia.

Folk Dance Group "Peda" - Letónia
Foi em dezembro de 1988 que um grupo de jovens da cidade de Aizkraukle, situada a cerca de 80 km a oeste de Riga, a capital daquele país báltico, se reuniu pela primeira vez, para ensaiar danças e cantigas tradicionais da Letónia. Ao fim de dois anos, em 1990, já tinham granjeado o respeito dos seus pares, participando no maior festival de folclore da Letónia, abrindo as portas para representações da sua cultura em diversos países, do Nepal ao Bahrein, de Israel à Arménia.
Os dançarinos são acompanhados por uma orquestra tradicional composta por violinos, acordeão, tambores e um kokle, uma espécie de saltério ou cítara tradicional da Letónia.
Os membros do grupo, cujas idades variam entre os 16 e os 50 anos, partilham entre si o gosto pela cultura tradicional da Letónia e um mote "se tens comichão no pé, vai haver muita dança”!

8 ago, 21h30 | Beira-Rio

Grupo Folclórico da Madalena - V. N. de Gaia  
As Marchas de S. João foram o motivo que levou quatro jovens a pensar na fundação de um Grupo Folclórico na Madalena. 
Apesar de ser um Grupo com uma formação recente (12 anos), tem um trabalho muito ativo. 
Os seus elementos são, na sua maioria, jovens que desenvolvem um trabalho aturado de recolha, permitindo-lhes assim um conhecimento mais amplo e profundo do folclore e das tradições da freguesia onde vivem. 
O Grupo Folclórico traja duas importantes figuras da terra onde está inserido, sendo elas a Mulher Rica da Madalena e a Camponesa da Madalena. Preservar, enriquecer e reviver as tradições dos antepassados é o lema do Grupo Folclórico da Madalena.

Grupo Folklórico de la Escuela Normal Superior del Estado de Coahuila - México
Este grupo foi criado em 1989 com o objetivo de enriquecer o conhecimento sobre a cultura local, reforçando e preservando o legado de tradições e costumes do Estado de Coahuila, que faz fronteira com o estado do Texas, nos Estados Unidos. Conhecida como a "Atenas do México”, a capital, Saltillo orgulha-se de ser um polo de intensa produção cultural e científica. Dizem os locais que o "Segape”, o inconfundível poncho mexicano, é originário daquela região, podendo-se visitar naquela cidade universitária um museu, inteiramente dedicado àquela indumentária. 
Com cerca de 40 elementos, este grupo vai demonstrar com a sua alegria e o colorido dos seus trajes, a exuberância do folclore mexicano.