Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 30 Mar 2021 «Um abraço numa carta» pretende combater a solidão dos mais velhos Jovens gaienses escreveram mais de 3500 cartas
"Combater a solidão em tempos de pandemia”. Este é um dos principais objetivos da iniciativa «Um abraço numa carta», uma ideia que partiu de Mariana Costa, estudante da escola secundária Dr. Joaquim Gomes Ferreira Alves e que, de imediato, foi acarinhada pela Câmara Municipal de Gaia. O repto foi lançado pelo Gabinete da Juventude aos 12 agrupamentos escolares e colégios privados de Gaia e a ideia surtiu logo o efeito desejado. No total, foram redigidas mais de 3500 cartas que estão a ser, agora, distribuídas pelos idosos internados no Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho (foram entregues 500 a 550 no dia 30 de março) e residentes dos lares do concelho.

A estudante de 17 anos teve a ideia de escrever aos idosos quando, há cerca de dois meses, participou num ‘workshop’ promovido por uma associação juvenil, no qual foram abordados tópicos como o impacto que as iniciativas podem ter na vida dos outros e a importância da empatia pelo próximo.

Para Elísio Pinto, vereador da Câmara de Gaia com o pelouro da juventude, o intuito passa por "combater a solidão e estabelecer uma ponte de amizade entre as várias gerações, numa iniciativa sem barreiras”, valorizando ainda o poder e a importância que a juventude assume nas políticas desenvolvidas pelo Município: "em Gaia, não fazemos nada sem os jovens e os jovens de Gaia aparecem-nos cada vez mais com ideias pioneiras e novas. Este é um gesto com um simbolismo tremendo porque envolve os melhores sentimentos do mundo. É uma atitude muito altruísta”.

Na entrega simbólica que decorreu no CHVNG/E, o coordenador da equipa de cogestão do doente geriátrico, Agripino Oliveira, aproveitou para fazer um retrato geral do panorama das hospitalizações neste público em específico: "segundo dados de 2013, 40% dos internamentos em Portugal são de pessoas idosas com mais de 65 anos. Acima dos 75 anos esse número passa para 70”.