Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias e Destaques 06 Jul 2021 Nova maternidade pronta até ao fim do ano Investimento de 12 milhões no Hospital de Gaia
Mais uma boa notícia para o Hospital de Gaia (CHVNGE): a nova maternidade deverá estar concluída no final do ano e pronta a receber o primeiro bebé no primeiro dia do ano de 2022. A expetativa foi deixada, a 6 de julho, pelo presidente do conselho de administração do CHVNGE, durante uma visita do primeiro-ministro, António Costa, e da ministra da Saúde, Marta Temido, ao hospital. "Espero que possamos, no dia 1 janeiro de 2022, ter aqui o primeiro bebé a nascer”, afirmou Rui Guimarães, desafiando o primeiro-ministro a assistir a esse momento.

Num investimento de 12 milhões de euros, a nova área materno-infantil terá um serviço de urgência obstétrica e ginecológica, um bloco de partos com nove salas individuais, um bloco operatório contíguo a esta sala e uma unidade de neonatologia com cuidados intensivos neonatais equipada, com 14 boxes e dois quartos de isolamento com pressão negativa. Terá ainda 16 incubadoras, das quais 10 para cuidados intermédios e seis para intensivos, internamento de ginecologia/obstetrícia e berçário com 34 quartos e internamento de pediatria e cirurgia pediátrica com 14 quartos, acrescenta.

Novas valências que representarão uma enorme mais-valia para os utentes, dado que a ginecologia responde a mais de 161 mil mulheres e a obstetrícia a mais de 75 mil em idade fértil, residentes na área de abrangência. Já o serviço de cirurgia pediátrica serve cerca de 120 mil crianças e jovens, refere.

António Costa destacou que estes investimentos por parte do Governo são prova de que "há vida para além da pandemia”: "Este hospital está já a avançar com novas obras para ter pronta uma nova unidade de saúde materno-infantil. Há mesmo mais vida para além da covid-19, tem mesmo de haver mais vida”, reafirmou. Para o primeiro-ministro, esta nova maternidade ajudará a permitir que as famílias tenham os filhos que não tiveram em 2020 e 2021.

Ainda nesta ocasião, o presidente do Conselho de Administração do CHVNGE aproveitou para dar conta de que o tempo médio de espera para uma consulta neste hospital baixou de 160 para 60 dias. Rui Guimarães revelou que este foi o segundo melhor trimestre do ano em consultas.

No que concerne às cirurgias, o responsável salientou que o tempo de espera passou de quatro anos para 121 dias em março, estando hoje nos 70 dias.