Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 24 Abr 2021 «Meu bairro, minha rua» chegou ao Quarteirão de António Sérgio Avenida Nuno Álvares ou Praça Gil Eanes serão algumas das zonas intervencionadas
Com o intuito de promover uma nova forma de viver em comunidade, através de um trabalho muito próximo das pessoas, das famílias e das instituições, procurando garantir que as suas preocupações sejam sinónimo de um processo de revitalização permanente e participado por todos, o projeto «Meu Bairro, Minha Rua» continua na rua e chegou, desta vez, ao Quarteirão de António Sérgio.  

Esta zona do concelho tem "uma enorme potencialidade e um enorme futuro”, começou por dizer Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia, na sessão online de apresentação dos resultados que decorreu a 24 de abril. "A enorme potencialidade decorre da heterogeneidade complementar de espaços e infraestruturas: uma escola de referência (Escola António Sérgio), um jardim único (jardim Soares dos Reis), um espaço envolvente que cresceu em torno de uma lógica de urbanização habitacional, mas também com uma componente comercial e de serviços muito forte. É um espaço, portanto, com um enorme potencial do ponto de vista da fruição do espaço público”, disse. 

Dos questionários enviados aos moradores para auscultar as suas principais inquietações e necessidades, a autarquia obteve uma taxa de resposta na ordem dos 14,1%, essencialmente na faixa etária entre os 41 e 55 anos de idade. 

Na apreciação do espaço envolvente à habitação, foram avaliados aspetos como o estacionamento, a iluminação, o estado das passadeiras, os transportes públicos, a segurança, entre outros. Destaca-se a boa classificação da recolha de lixo e da oferta de transportes públicos, sendo que, regra geral, todos os elementos foram classificados como bons (numa escala entre mau, razoável e bom). Entre as sugestões deixadas pela população, destaca-se a necessidade da manutenção das áreas verdes (41,7%) e de criação de mais áreas verdes (26%).

Assim, tendo em conta os contributos obtidos, a Câmara Municipal de Gaia vai avançar com uma intervenção nesta zona do concelho que permita itinerários mais acessíveis e seguros. A ação inclui a promoção e valorização da zona pedonal da avenida Nuno Álvares, a colocação de corrimões, a requalificação dos passeios e a melhoria da iluminação pública. No sentido de conceber um espaço de fruição apto para promover a integração entre diferentes gerações, potenciando o descanso e o convívio, os espaços verdes serão melhorados, procedendo-se, paralelamente, à colocação de mobiliário urbano e à plantação de espécies arbóreas, com abrangência na rua Gonçalo Velho Cabral e na Praça Gil Eanes. 

A nível educativo, o projeto terá a básica de Cabo Mor como escola âncora, sendo que serão feitas intervenções de melhoria do recreio deste estabelecimento de ensino e assegurada formação pela metodologia Ubuntu a docentes e educadores.

Para Eduardo Vítor Rodrigues, o «Meu Bairro, Minha Rua» é um "projeto de proximidade que é capaz de chegar, por um lado, às preocupações individuais de cada um e, por outro lado, mobilizar a estrutura municipal para a resolução dos microproblemas que são, ao mesmo tempo, os problemas mais importantes do dia a dia destas pessoas”. 

Eduardo Vítor Rodrigues aproveitou a apresentação para dar conhecimento de uma infraestrutura que irá, a médio e longo prazo, revolucionar aquela zona do concelho. Com a segunda linha de metro em Gaia, que ligará Santo Ovídio às Devesas e ao Campo Alegre, com a construção de uma ponte dedicada, há já uma certeza: "a linha vai passar na escola António Sérgio, com uma estação que ficará entre a escola e o bairro de Cabo-Mor”, afirmou.  

O projeto «Meu Bairro, Minha Rua», da responsabilidade da Câmara Municipal de Gaia, procura contribuir para a criação de uma forma harmoniosa de viver em comunidade. Em articulação com os serviços municipais, e tendo como âncora a proximidade com as escolas, são sinalizadas algumas zonas do concelho com maior necessidade de intervenção, nomeadamente ações pontuais, que resultam numa melhoria do espaço público e, consequentemente, no fortalecimento do sentimento de pertença.