Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 24 Out 2020 «Casa dos Bombeiros» reforça capacidade operacional da corporação da Aguda Cerimónia contou com a presença da secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar
O dia 24 de outubro marcou o início de uma nova e diferente etapa para a corporação dos Bombeiros Voluntários da Aguda. A «Casa dos Bombeiros», agora inaugurada – com a presença da secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, e do Bispo do Porto, D. Manuel Linda -, foi alvo de um profundo processo de reabilitação de forma a responder às necessidades mais recentes sentidas pela corporação. A intervenção teve um investimento de cerca de meio milhão de euros, sendo que 285 mil euros partiram de investimento municipal e o restante valor foi financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Com esta intervenção, o edifício passou a contar com novas camaratas com 24 camas, balneários, central de comando e uma garagem destinada a elementos náuticos. Num período em que se verifica o aumento de serviço de voluntariado entre jovens permitir-se-á, assim, uma maior captação e articulação com atividades relacionadas com a costa marítima municipal e intermunicipal.

Tratava-se de uma obra esperada há mais de duas décadas. Esta foi uma das mensagens que Manuel Guedes, presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntárias da Aguda, fez questão de salientar. "Este é um momento particularmente importante para esta associação por vários motivos muito concretos. Primeiro, mais do que um desejo, é uma necessidade de 25 anos. Em segundo lugar, deixámos de acreditar, vezes sem conta, na realização desta obra. Em terceiro, com esta obra conseguiremos captar voluntários mais jovens”, explicou o responsável que partilhou com o público a alegria de ter uma casa que "além de funcional, tem uma marca muito acentuada de conforto e isso, para nós, é o mais importante”. O edifício encontrava-se em elevado estado de degradação, carecendo de uma intervenção imediata, sob pena de ruir completamente e levantar um conjunto problemas para a vizinhança, nomeadamente no que diz respeito a questões de salubridade pública e segurança.

Além de reforçar a atividade da corporação de bombeiros, esta obra faz parte da estratégia do Município de Gaia de salvaguardar o património concelhio. Para Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia, "o Município de Gaia dá uma enorme importância à proteção civil e não poderia ser de outra forma. Temos uma obrigação muito precisa nesta área, (…) e mesmo com as dificuldades da autarquia, os bombeiros nunca usaram essas dificuldades económico-financeiras da Câmara para fazerem cortes financeiros”. Na Aguda de um modo muito particular, o autarca recordou alguns obstáculos legais que tiveram de ser ultrapassados relativamente ao edifício. Mas, através de um intenso trabalho de rede, foi possível transformá-lo naquilo que agora se inaugura: a Casa dos Bombeiros, uma estrutura que, numa primeira fase, neste período pandémico crítico, poderá ser usada como «Hospital Positivo» (espaço para acolher doentes que não possam estar em suas casas). Para Eduardo Vítor Rodrigues, a presença de Patrícia Gaspar e de D Manuel Linda – que automaticamente aceitaram o convite – "foi uma forma de agradecer o extraordinário trabalho dos bombeiros”.

Patrícia Gaspar aproveitou para transmitir uma mensagem muito especial à audiência: "aqui, nos Bombeiros Voluntários da Aguda, eu deixo o meu agradecimento, não só como secretária de Estado da Administração Interna, mas também como portuguesa. Agradeço a todos os bombeiros, de norte a sul do país, pelo enorme esforço, abnegação, profissionalismo que emprestam em tudo aquilo que fazem e pela forma sem igual com que têm cumprido a vossa missão”. Num período mais crítico no combate à pandemia de covid-19, a governante deixou, ainda, o seu testemunho relativamente ao papel que as autarquias locais têm desempenhado ao longo deste processo. "As autarquias têm aqui um papel fundamental e se dúvidas houvesse elas ficaram esclarecidas. Os municípios são a base do sistema de proteção civil no nosso país e é bom ver que temos cada vez mais municípios conscientes desta realidade e que dão a esta causa, como acontece em Vila Nova de Gaia, o apoio que ela merece. Cada euro que se gasta neste setor não é um custo, é um investimento com retorno absolutamente garantido”.