Notícias 07 Set 2017 Vila Nova de Gaia e Porto unidos para resolver problemas comuns de mobilidade Redefinição estratégica da rede da STCP e o fim das portagens na CREP foram alguns dos assuntos discutidos
Eduardo Vítor Rodrigues e Rui Moreira, presidentes das câmaras municipais de Vila Nova de Gaia e do Porto, reuniram-se, a 7 de setembro, nos Paços do Concelho do Porto, para uma reunião que permitiu fazer um balanço dos últimos quatro anos na área da mobilidade e deixar um contributo estratégico para o futuro, apontando caminhos para a resolução de problemas comuns deste setor. A reunião culminou na assinatura do acordo resultante da Cimeira da Mobilidade entre os dois concelhos.

Os municípios de Gaia e do Porto assumiram o compromisso de criar uma equipa que apresente propostas para problemas de mobilidade comuns, nomeadamente para a suspensão de portagens na CREP (Circular Regional Externa do Porto), uma medida defendida como solução para o trânsito na Via de Cintura Interna (VCI). O objetivo é que esta equipa faça "um diagnóstico” e "apresente propostas para a resolução das questões de mobilidade no mais curto espaço de tempo”.

Na lista de problemas a resolver foram identificadas algumas prioridades, nomeadamente: a redefinição da rede da STCP, a potenciação do novo terminal intermodal de Campanhã (Porto), a eventual necessidade de novos parques de estacionamento de segunda linha, a articulação do transporte turístico entre os centros históricos ou a regulação da procura de transporte privado entre os dois concelhos. Os dois autarcas pretendem, ainda, fazer uma "aprofundada análise custo/benefício das soluções que resolvam as necessidades de ligações rodoviárias, fluviais e pedonais entre as duas margens do rio Douro”. 

O acordo sugere ainda "a criação de um projeto-piloto intermunicipal entre o Porto e Gaia, capaz de oferecer um serviço de transporte porta a porta aos cidadãos com mobilidade reduzida”. 

A necessidade de melhorar as condições de mobilidade interna das duas cidades também foi um assunto em análise, nomeadamente "através da conclusão da Avenida do Atlântico (da rotunda de Santo Ovídio até ao litoral marítimo de Gaia), da criação da linha de metro bus na EN 222 (Gaia) e do corredor de autocarros de alta qualidade da Avenida Fernão de Magalhães (Porto)”, concretizando as candidaturas já submetidas pelos municípios a fundos comunitários.

Relativamente a novas pontes sobre o rio Douro, Eduardo Vítor Rodrigues, recordando que a ligação de metro entre as Devesas e o Campo Alegre a isso irá obrigar, recusa a ideia de mais atravessamentos ou infraestruturas que não sejam para o transporte público, uma premissa apoiada por Rui Moreira.