Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 06 Mai 2019 Relatório de Contas de 2018 aprovado pela maioria “As melhores contas de sempre” garantiram 20 milhões de euros de saldo de gerência
A Câmara Municipal de Gaia aprovou o relatório de contas de 2018, descrito pelo presidente da autarquia como "as melhores contas de sempre”, com os votos contra do PSD. Para Eduardo Vítor Rodrigues, estas contas "concluem o processo de consolidação da câmara. Abre-se um novo ciclo. E são as melhores contas de sempre porque temos a melhor execução de receita e despesa de sempre. São as melhores contas de sempre porque o endividamento da autarquia atinge o valor mais baixo de sempre”, descreveu. 

O relatório inclui uma transferência de saldo de gerência de cerca de 20 milhões de euros, valor que foi integrado na revisão orçamental de abril de forma a "permitir opções de investimento que não teriam lugar de outra forma”, explicou o autarca. Assim será possível, por exemplo, avançar com a implementação de um corredor ‘metrobus’ na EN 222 e o lançamento do pavilhão multiusos dos Arcos do Sardão.

O endividamento total do município atinge os 120 milhões de euros, contrastando com os 181 milhões (em 2015), os 167 milhões (em 2016) e os 139 milhões (em 2017). "Estamos cerca de 50 milhões do limite legal de endividamento. Quando tomei posse, estávamos a 130 milhões de distância”, referiu Eduardo Vítor Rodrigues.

Quanto a receitas próprias da Câmara de Gaia, actualmente, correspondem a 65,13%, enquanto as receitas alheias (provenientes de transferências e empréstimos) são de 34,87%. O relatório de contas aponta que, em 2018, a Câmara de Gaia usou 19,9 milhões de euros em investimento direto, o que corresponde a 80,85%, um número que em 2017 foi de 14,1 milhões de euros (74,7%).

Eduardo Vítor Rodrigues também sublinhou que a autarquia "teve a maior incorporação patrimonial da sua história”, destacando compras como a Casa da Presidência, Fábrica das Devesas, Estufa da Lavandeira ou o Teatro Almeida e Sousa, em Avintes, entre outros equipamentos.

"O exercício de 2018 fica marcado por esta tentativa de conciliação de boas contas com o enriquecimento de património para disponibilizar ao público. Julgo que estes números se devem a uma tranquilidade grande na gestão, enquanto o município acompanhou a melhoria de condições que foi transversal ao país. Conseguimos fazer coabitar o esforço de melhoria das contas com a ambição”, concluiu.