Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 01 Jun 2019 Primeiras propostas de intervenção na área envolvente à Biblioteca e Auditório Municipais Sessão pública decorreu na Biblioteca Municipal de Gaia
"As cidades só têm a capacidade de oferecer algo para todos, quando algo é criado por todos”. É com base nesta premissa de Jane Jacobs que nasce o projeto «Meu bairro, minha rua». O objetivo passa por criar canais de contacto com os cidadãos e implementar um projeto-piloto para revitalizar a cidade e os seus equipamentos, sem descurar a participação das pessoas. A equipa vai ao encontro dos cidadãos e, como tal, espera-se que este processo resulte numa maior proximidade com a população.

Numa primeira fase, o projeto vai incidir no quarteirão da Biblioteca Municipal. Os moradores daquela zona receberam um questionário que procurava conhecer a opinião de cada morador sobre a sua rua, nomeadamente ao nível da segurança, acessibilidades, espaço público e de lazer, jardins, recolha de lixo, disponibilidade de transporte público, entre outros. Os resultados desta primeira abordagem foram apresentados a 1 de Junho, numa presidência aberta que decorreu na Biblioteca Pública Municipal de Gaia. A autarquia obteve uma taxa de resposta de 21%, com idade média de 57 anos. Saliente-se que os inquéritos foram presenciais aos comerciantes, escolas e utilizadores do espaço.

No que se refere ao espaço envolvente à habitação, a iluminação, a limpeza da rua, a recolha do lixo e as passadeiras «receberam» uma classificação «boa», ao passo que o estacionamento é o elemento que mais desagrada a população.

Com base na recetividade obtida junto da população, propõe-se a criação de um espaço cultural, com enfoque na biblioteca e auditório municipais com um objetivo único de oferta cultural diversificada para todos os públicos. Um espaço educativo pensado para melhorar a qualidade de vida da comunidade educativa, através da construção de uma cantina na escola EB J. Nicolau de Almeida (durante a próxima interrupção letiva), mais segurança para peões e uma aposta imaterial na educação. Por outro lado, pretende-se criar um espaço acessível, desenhado para todos, com instalação de elementos que permitam itinerários acessíveis, como uma rampa de acesso entre a biblioteca e a escola secundária, colocação de corrimões, alargamento da zona pedonal (entre o auditório e o jardim da biblioteca) e melhoria da iluminação pública. Pretende-se, ainda, criar um espaço mais verde, pensado para potenciar o descanso e convívio, valorizando os jardins e as espécies vegetais. Por fim, as transformações a implementar nesta zona irão permitir, também, criar um espaço para desfrutar, concebido para promover a integração entre diferentes gerações, através da colocação de bancos e locais de convívio «Parklets», requalificação do painel de azulejos, bebedouros, um mini parque infantil e uma árvore digital – Vtree.

Este projeto foi desenvolvido com base na metodologia UBUNTU, um projeto intergeracional que promove a coesão social.