Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 30 Set 2016 Lançada a primeira pedra do Centro de Saúde de Vilar de Andorinho A cerimónia contou com a presença do Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.
 
 
O presidente da Câmara Municipal de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, lançou a primeira pedra das novas instalações da unidade de saúde de Vilar de Andorinho, numa cerimónia que decorreu no dia 30 de Setembro e que contou com a presença do Ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, e do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo. 

O início da obra está definido para Outubro e deverá estar concluída no início de 2018, tendo um custo de 1,5 milhões de euros cofinanciados por fundos comunitários do programa 2020, o que, para Adalberto Campos Fernandes, é uma "aplicação virtuosa do dinheiro”.

Para Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia, este momento simboliza a concretização de uma das maiores aspirações da população de Vilar de Andorinho, que esperava por esta obra há sensivelmente duas décadas. Além da unidade de saúde, será ainda construído num terreno contíguo um equipamento de referência destinado a alojar, prioritariamente, pessoas com esclerose múltipla. "Esta aposta é muito justa. Não há nenhum país que cresça de forma sustentável, coesa e integrada se não tiver uma aposta clara na valorização da saúde”, defendeu Eduardo Vítor Rodrigues. 
Do Ministério da Saúde, Adalberto Campos Fernandes deixou uma garantia: "o ministério não quer ter poder apenas pela importância de o ter. Quer ter poder para o poder partilhar com aqueles que, como os autarcas, estão mais perto das pessoas e podem fazer a gestão do dinheiro público de forma mais eficiente. Queremos que se construa no país uma aliança entre poder central e local que não olhe à cor política mas à satisfação das pessoas”, afirmou. 

As futuras instalações vêm substituir as atuais que se encontram em elevado estado de degradação, quer no respeita ao edifício como aos equipamentos, tanto mobiliário como outro indispensável ao seu normal funcionamento.