Notícias 26 Set 2017 La Perla: a empresa que está em Gaia de «pedra e cal» Eduardo Vítor Rodrigues conheceu as novas instalações da empresa
Sofisticação, profissionalismo, qualidade e compromisso. Na essência da empresa La Perla, instalada em Valadares, estão características ímpares que fazem com que potenciais investidores sintam que vale a pena apostar neste concelho. Hoje com trezentos trabalhadores, essencialmente mulheres, a empresa encerra uma primeira fase de investimento, com novas instalações e mão-de-obra qualificada, jovem e apta a acompanhar o percurso promissor da entidade. Todavia, conhecer o presente da La Perla é, também, recuar ao passado e a tempos que não auguravam um futuro tão esperançoso e, até, a uma eventual saída da empresa do concelho.

Em 2014, a reativação da Cerâmica de Valadares nasceu de um acordo que teve uma forte intervenção do presidente da Câmara Municipal de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues. Depois de meses de negociações, o acordo pressupunha que uma parte das instalações da Cerâmica de Valadares ficasse sob a responsabilidade da empresa italiana de roupa interior La Perla. A autarquia comprometeu-se, ainda, a isentar do pagamento de licenças e taxas tanto a ARCH como a La Perla, contribuindo para o ressurgimento e manutenção no concelho de duas empresas com impactos relevantes para a freguesia e para a cidade.

E assim foi. Três anos depois, o presidente da autarquia visitou as novas instalações, contactando de perto com funcionárias que acompanham esta empresa desde a sua fundação, em 1989, até ao núcleo mais jovem – graças ao aumento da produção, a necessidade de recrutamento tornou-se evidente. Este foi um momento de grande orgulho, já que o crescimento da La Perla está, invariavelmente, associado à recuperação e à resolução do problema da Cerâmica de Valadares, sendo a prova de que vale a pena investir em Gaia. "A região é extraordinária. Existe um clima único do ponto de vista infraestrutural, mas também na perspetiva dos recursos humanos. Na La Perla há um potencial de crescimento enorme que queremos incentivar porque os municípios devem desempenhar um papel importante nesta dimensão da atratividade económica, emprego e investimento”, salientou Eduardo Vítor Rodrigues. Este ponto de vista é, inquestionavelmente, partilhado por António Pimentel, diretor da La Perla: vale muito a pena investir em Gaia. "A Câmara Municipal tem uma iniciativa de atração ao investimento e de facilitação, ajudando as empresas que queiram instalar-se no concelho. Isso, para nós, tem um significado muito importante. Por outro lado, tem infraestruturas públicas muito confortáveis, além dos acessos e vias de transporte. Gaia tem condições para atrair empresas com características diferentes”, evidenciou, descrevendo ainda a informalidade desta visita: "Faz hoje três anos que tomámos a decisão de adquirir este edifício e dar início ao investimento, com um grande impulso do presidente da Câmara Municipal (…). Foi este impulso que nos fez ficar e arrancar nesta direção”, recordou António Pimentel. ´



Recuperar o edifício sem perder a identidade
"Preservar o património arquitetónico com a adaptação a um novo uso”. Para Ricardo Alegre, arquiteto responsável pela reabilitação do atual edifício da La Perla, este foi o grande objetivo do seu trabalho. Tendo sempre consciência de que o elemento «tempo» era determinante, o responsável acredita que foi possível conciliar todos os interesses. "Foi um privilégio contribuir para trazer de volta a vivência das pessoas a um espaço que estava degradado e abandonado”, realçou. Com especial atenção aos espaços exteriores (foram tornados atrativos para o convívio dos trabalhadores), o resultado final traduz a linguagem do edifício, a escala e os elementos simbólicos que já existiam no passado, ao mesmo tempo que foram introduzidos novos elementos que contribuem para dar maior dignidade às novas instalações. A nova «casa» da La Perla é, assim, a prova de que na reabilitação é possível "dar novas funções aos edifícios, sem descaracterizá-los”.

Aposta na formação dos recursos humanos
As atuais instalações, confortáveis e com excelentes condições de trabalho, permitiram à administração encarar a capacitação dos recursos com outras energias. "A captação, formação, recrutamento e a colocação no posto de trabalho são os passos mais difíceis e que ainda estão em desenvolvimento. Hoje, são trezentos trabalhadores, mas a expectativa é chegar aos quatrocentos. Para entrarem na empresa, segundo António Pimentel, não é necessária qualquer característica extraordinária. "Só pedimos vontade de trabalhar e de entrar numa nova profissão. Todas as outras competências são asseguradas pela formação que vamos fornecendo”, ressalvou. A verdade é que, visitando a empresa, é notória a presença de mulheres de várias faixas etárias, numa incessante transmissão de conhecimentos. Para tal, a contínua parceria com o IEFP (Instituto de Emprego e Formação Profissional) e com o Modatex (Centro de Formação Profissional da Indústria Têxtil, Vestuário, Confeção e Lanifícios) tem sido imprescindível. João Mira Paulo, diretor do IEFP de Gaia, acredita que, para a entidade que representa, "é importante estar em sintonia com os movimentos de crescimento e de procura de mão-de-obra qualificada”. Assim, quer na área do emprego como da formação, o IEFP tem procurado caminhar ao lado do tecido empresarial, respondendo às suas necessidades, requalificando pessoas e preparando-as para serem ativos qualificados. Na La Perla não é diferente. "A empresa tem aumentado os seus recursos humanos na área da produção e é nossa função identificar os trabalhadores e encaminhá-los para a formação até à colocação no posto de trabalho”, explicou Mira Paulo.
Por outro lado, o Modatex é um centro do serviço público de emprego e formação profissional mas que, na sua raiz, envolve não só o Estado como as principais associações do setor têxtil, abraçando como principal objetivo a qualificação dos recursos humanos para o setor têxtil e vestuário. A articulação com o IEFP é, por isso, direta, e a relação com a La Perla tem conseguido responder aos parâmetros de atuação do centro, tal como explicou José Manuel Castro, presidente do Modatex. "Por um lado, tem sido possível aumentar o nível de produtividade da empresa. Por outro lado, melhoramos as qualificações dos trabalhadores, permitindo-lhes ter acesso a um emprego”, evidenciou, destacando a particularidade de na La Perla a formação ser realizada em contexto laboral, com mais-valias evidentes não só para a empresa, que contacta diretamente com potenciais colaboradores, como para o formando.
Para Eduardo Vítor Rodrigues, a aposta nos seus recursos humanos é, efetivamente, a grande especificidade da La Perla. "A empresa está a criar uma nova geração de trabalhadoras, altamente formadas e especializadas. Não estamos perante um emprego volátil e precário mas de um emprego que tem futuro. Depois de cá estarem, o know how adquirido é tão especial e relevante que não se antevê que a empresa possa prescindir desta mão-de-obra qualificada”, destacou, deixando uma mensagem de prosperidade a toda a equipa: "encontro na La Perla o paradigma de cultura de empresa que é tão difícil de encontrar. Dediquem-se à empresa e espero que esta seja uma parte significativa das vossas vidas”. Neste caminho, António Pimentel espera contar com o afinco e o compromisso de todos porque a La Perla deve continuar a ser "um projeto vencedor”.