Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 31 Mar 2017 Inovação Social em debate na 4.ª Conferência de Gaia Iniciativa contou com a presença da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques

O Centro Paroquial de Santo André de Canidelo acolheu, a 31 de março, a 4.ª Conferência de Gaia, uma iniciativa desenvolvida em parceria entre a Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia e o Jornal de Notícias. Inovação Social foi o tema debatido ao longo da manhã, numa cerimónia presidida pela ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, e que convergiu vários pontos de vista, do poder central à Igreja, do setor público ao privado. 
A abertura foi da responsabilidade de Afonso Camões, diretor do Jornal de Notícias, para quem não é possível existirem cidades inteligentes se não forem inclusivas. "A inovação social é o tema que hoje nos reúne aqui e está na ordem do dia, sendo que na primeira linha deste esforço destaco o trabalho das autarquias e das entidades do terceiro setor”, referiu. Rui Marques (presidente do Instituto Padre António Vieira), por sua vez, começou por fazer alusão à típica definição deste conceito, difundida pelo Center for Social Innovation – Stanford University: "inovação social é uma solução nova para um problema social que é mais eficaz, mais eficiente, mais sustentável ou mais justa do que a que já existe”. Para os tempos atuais, onde os problemas sociais saltam à vista, para Rui Marques, é necessário adotar verdadeiramente este conceito e colocá-lo em ação.
É nesse sentido que surge a iniciativa Portugal Inovação Social, aqui representada pelo seu presidente, Filipe Almeida. O programa foi lançado em 2014 e procura apoiar instituições e projetos de empreendedorismo social, e reúne cerca de 150 milhões de euros para viabilizar novas ideias que coloquem Portugal na rota da inclusão e da inovação social. Para áreas como o emprego, a pobreza ou a educação, existem respostas convencionais que devem ser complementadas com respostas porque, para Filipe Almeida, "inovar também significa complementar o que já existe”. A Portugal Inovação Social dispõe de quatro instrumentos de financiamento, com dotações do Fundo Social Europeu (FSE), que apoiam iniciativas de inovação e empreendedorismo social com intervenção nas regiões do Norte, Centro e Alentejo, nomeadamente: capacitação para o investimento social, parcerias para o impacto, títulos de impacto social e fundo para a inovação social. Estes financiamentos permitirão a promoção de práticas de investimento social com o objetivo de aplicar mais recursos financeiros em projetos societais sustentáveis.
Seguiu-se um painel composto por privados, parceiros públicos e Igreja, cuja mensagem vinculada passou pela ideia de que a união fortalece os resultados no campo social. Berta Nunes, presidente da Câmara Municipal de Alfândega da Fé, apontou algumas medidas que a autarquia tem procurado desenvolver no sentido de integrar a sua população idosa. Por sua vez, para Rui Pedroto, presidente da Fundação Manuel António da Mota, "as instituições existem para serem o intermediário entre o cidadão e as respostas sociais que ele procura”. Para Nádia Reis, relações públicas do Continente, o trabalho em rede é imprescindível para o sucesso das iniciativas, sendo disso exemplo o projeto Missão Continente, a grande marca da empresa no que toca a iniciativas de inovação social. Por fim, o padre Almiro Mendes, do Centro Social e Paroquial de Santo André de Canidelo, destacou o atrevimento da Igreja na área da inovação social. "A Igreja está ciente de que não caminha sozinha”, afirmou.

O papel do poder local e central
"Quem faz novo sabe que é muito mais difícil do que fazer aquilo que já foi feito”. Para Maria Manuel Leitão Marques, ministra da Presidência e da Modernização administrativa, existem em Portugal ótimos exemplos de inovação social. "Exemplos premiados a nível nacional e internacional. O Estado não pode responder isoladamente a todos os desafios. Temos de ter outras respostas de proximidade. Os problemas exigem que trabalhemos em colaboração. Muitos destes projetos estão a reconstruir um espírito de comunidade que se perdeu”, disse a governante, que revelou ainda que o nosso país irá acolher a 27 e 28 de Novembro uma conferência da Comissão Europeia, à qual o comissário europeu Carlos Moedas chama a «WebSummit» da inovação social.
Num evento que juntou autarcas, dirigentes e técnicos de instituições e entidades ligadas à solidariedade social e ao empreendedorismo, Eduardo Vítor Rodrigues realçou a necessidade de trabalhar em parceria e em rede. "Aqui não há disputas. Tivemos no painel privados, terceiro setor e parceiros públicos e verdadeiramente só conseguiremos fazer deste país um país melhor se cosermos as relações institucionais e trabalharmos em efetiva rede”, concluiu.