Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 30 Nov 2019 Inauguração de exposição de máscaras da Ásia A mostra ficará patente até 26 de janeiro, na Casa-Museu Teixeira Lopes/Galerias Diogo de Macedo.
«Máscaras da Ásia» é uma exposição composta por 74 máscaras originárias de nações asiáticas, como China, Coreia, Índia, Indonésia, Japão, Sri Lanka, Tailândia e Tibete, pertencentes à coleção Kwok On da Fundação Oriente. Foi inaugurada no dia 30 de novembro, às 16h30, com a presença da sub-diretora do Museu do Oriente, Sofia Lopes, da vereadora da Câmara Municipal de Gaia com o pelouro da cultura, Paula Carvalhal, e outros membros do executivo, bem como dos representantes dos consulados de Moçambique, da Ucrânia, da Liga Chinesa, de São Tomé e Princípe e da Indonésia.

Na sessão de abertura da exposição, os visitantes foram presenteados com uma demonstração de artes marciais do Instituto Confúcio da Universidade de Aveiro, promovida pela embaixada da República da Indonésia, e com uma performance de danças tradicionais, pelo bailarino Andre Nurvily, que apresentou uma dança de máscaras do Bali e uma dança clássica de máscaras de Yogyakarta. A sessão cultural foi acompanhada por um Porto D’Honra de petiscos asiáticos, servidos pelo Restaurante Asiático Thamel.

A coleção Kwok On foi criada pelo sinólogo francês Jacques Pimpaneau, a partir de um conjunto de cerca de 600 objetos que lhe foram doados, em 1971, por Kwok On, um chinês que conheceu em Hong Kong. As exuberantes máscaras revelam ao visitante uma grande diversidade performativa, estética e funcional, podendo encarnar seres sobrenaturais, divindades, personagens lendárias e animais fantásticos que fazem parte do imaginário das culturas asiáticas e que estas representam nos seus rituais religiosos e performances de dança e teatro. À semelhança das estátuas nos templos, as máscaras asiáticas são consideradas objetos sagrados pelas comunidades destas regiões, residindo nelas a força dos espíritos.

Desta forma, a exposição pretende celebrar a diversidade cultural dos povos, promovendo valores de igualdade e unidade em torno da máscara, essa extraordinária forma de expressão artística que é, ao mesmo tempo, uma inesgotável fonte de inspiração para estudos etnográficos e antropológicos.

A exposição «Máscaras da Ásia», de entrada gratuita, estará patente até 26 de janeiro, podendo ser visitada de terça-feira a domingo, das 9h às 12h30 e das 14h às 17h30. 

Paralelamente, durante o período da exposição, estão previstas diversas atividades de teatro, dança, workshops e gastronomia. Para crianças dos três aos dez anos, serão realizadas oficinas artísticas de construção de máscaras e leques orientais, previstas para os dias 4, 6, 11 e 13 de dezembro, em duas sessões diárias (10h30 e 14h30). A participação é gratuita, mediante inscrição prévia, através do e-mail: gaiacultura@cm-gaia.pt ou telefone: 223 742 904. No dia 6 de dezembro, às 21h30, o museu acolhe um concerto de cítara indiana, com o músico Kanal Auer. Dia 7, às 16h00, haverá um concerto e workshop de meditação e relaxamento segundo a filosofia de Sri Chinmoy – Índia. No dia 13, pelas 21h, os visitantes poderão assistir a um concerto de taças tibetanas e congos, pela Escola Internacional de Taças Tibetanas/Miguel Lourenço (a atividade requer inscrição prévia). No dia 21 de dezembro, às 10h30, está marcada uma palestra sobre fotografia de viagens à Índia, pelo fotógrafo Hugo Lima. Também nesse dia, às 18h00, realizar-se-á um espetáculo de teatro de sombras japonesas, de Beniko Tanaka, para toda a família, promovido pela Embaixada do Japão. Já no dia 5 de janeiro, às 16h00, haverá uma cerimónia japonesa do chá na tradição da família Urasenke, em Kyoto, por Almerindo Lopes.

A exposição «Máscaras da Ásia» e as atividades de animação complementares precedem a 15ª edição do Festival Internacional da Máscara Ibérica, que vai decorrer em Vila Nova de Gaia de 28 a 31 de maio de 2020.