Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 20 Set 2018 Gaia está a caminhar para uma economia de baixo carbono Equipa do projeto LOCARBO reuniu-se para fazer um balanço do trabalho feito até ao momento
No âmbito do LOCARBO, apoiado pelo Programa de Cooperação Territorial Interreg Europe, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), a 19 de Setembro, o ISLA Gaia acolheu uma reunião de apresentação da cooperação de Gaia no projeto. Este evento pretendeu fazer um balanço da fase de aprendizagem e partilha de boas práticas entre os parceiros do projeto LOCARBO, bem como divulgar o plano de ação municipal produzido com o valioso contributo do grupo local/regional de stakeholders. O debate dos resultados obtidos na primeira fase do projeto afigura-se como uma excelente oportunidade para a criação e reforço de sinergias entre o Município de Vila Nova de Gaia e a sua rede de stakeholders, que serão atores chave na implementação do plano de ação durante a segunda fase desta iniciativa.
Para atingir a descarbonização no âmbito do projeto, Vila Nova de Gaia tem apostado em algumas opções que têm feito a diferença, nomeadamente: ações de sensibilização, promoção de hábitos de consumo de energia conscientes e requalificação de edifícios, tal como explicou Carla Pires, gestora do projeto pelo Município de Gaia. O objetivo passa por "caminhar para uma economia de baixo carbono, tendo por base os instrumentos políticos que apoiam a suficiência energética na área dos edifícios”, evidenciou. No caso concreto de Gaia, o projeto centra-se nos edifícios de gestão pública municipal e nos empreendimentos de habitação, ao mesmo tempo que se tem procurado transmitir à população que é possível adotar comportamentos na utilização de edifícios públicos que contribuem para a descarbonização zero.
O projeto acaba, também, por conjugar todas as estratégias que existem dispersas nas políticas do município, como o Pacto de Autarcas, a Agenda 21 ou o plano estratégico local para a energia. "A partir de 2021, os edifícios novos e os edifícios públicos têm de estar adaptados para um balanço energético quase nulo, ou seja, o consumo de energia deve ser proveniente de fontes renováveis”, concluiu Carla Pires.
Recorde-se que o LOCARBO é um projeto de cooperação que integra um total de sete parceiros, oriundos de seis países (Portugal, Itália, Hungria, Inglaterra, Roménia e Lituânia), que tem a duração de quatro anos e meio, estando, neste momento, completa a sua primeira fase.
A abertura do encontro foi da responsabilidade de Patrocínio Azevedo, vice-presidente da Câmara Municipal de Gaia, que falou da importância do projeto no contexto municipal. Foram, ainda, transmitidas algumas boas práticas municipais, por Daniel Couto (Gaiurb), Sérgio Gandarela (ENERGAIA) e António Miguel Castro (Solindigos). O encerramento ficou a cargo de Margarida Rocha, da Câmara Municipal de Gaia.