Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 23 Nov 2018 Gaia debateu a violência doméstica, justiça e redes médico-sociais Iniciativa contou com a presença da secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro
A violência doméstica assume inúmeras formas e está instalada de modo profundo na estrutura da sociedade; foi reconhecida como crime público apenas há 18 anos, sendo que, hoje, dentro da categoria de «Crimes contra as pessoas», os crimes de violência doméstica são o segundo maior com mais ocorrências em Portugal. Para debater um tema tão complexo, a Câmara Municipal de Gaia organizou, a 23 de Novembro, no Arquivo Municipal Sophia de Mello Breyner, uma conferência dedicada ao tema «violência doméstica, justiça e redes médico-sociais».

Com moderação do presidente da Assembleia Municipal de Gaia, Albino Almeida, o encontro contou com intervenções de João Rato (procurador-geral adjunto e diretor do Departamento de Investigação e Ação Penal do Porto – DIAP), Dina Almeida (médica especialista em medicina legal e membro do serviço de clínica e patologia forenses da delegação do norte do Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses) e Leandra Rodrigues (psicóloga e coordenadora geral do Gabinete de Atendimento à Família – GAF, de Viana do Castelo). 

A conferência terminou com o lançamento do livro «Violência doméstica e de género: uma abordagem multidisciplinar», coordenado por Isabel Dias.
A obra procura evidenciar a relação fundamental que tem de existir entre investigação, análise teórica, políticas sociais e intervenção junto das vítimas e dos agressores conjugais. Foi esta a ideia transmitida pela autora, num momento que contou com a presença da secretária de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro, e do presidente da Câmara Municipal de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues.

Para o autarca, "a violência doméstica e de género continua a fazer demasiadas vítimas, não só do ponto de vista físico, sendo tantas vezes fatal, mas também do ponto de vista psicológico e social. Perante um problema global com tantas formas distintas, cabe-nos a todos, sem exceção, o papel de procurar soluções e fornecer contributos para o combater”. Rosa Monteiro, por sua vez, aproveitou o momento para dar a conhecer a nova campanha que vem sinalizar o Dia Internacional da Eliminação da Violência Contra a Mulher (25 de Novembro) - «Vamos ganhar a luta contra a violência». "Esta campanha apela a que todas as pessoas, não só as vítimas, denunciem situações de violência contra as mulheres. 

A ideia é reforçar esta mensagem de que as mulheres não estão sozinhas. Muitas vezes, as vítimas encontram-se num dilema onde se questionam se devem ou não procurar ajuda. Se devem ou não dar a conhecer que isto está a acontecer, onde é que podem procurar ajuda. Com a campanha queremos facilitar este passo no ciclo de mudança. Um passo para dar visibilidade, de assumir, procurar apoio e ajuda, e denunciar”, explicou. A secretária de Estado fez, ainda, um último apelo para a consciencialização e prevenção de uma luta que deve ser coletiva.