Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 06 Mar 2020 Gaia dá início ao Plano de Arborização Ao longo de 18 meses serão plantadas 10 mil árvores pela cidade
A Câmara de Gaia deu início, a 6 de março, ao Plano Municipal de Arborização da cidade, com três momentos simbólicos que decorreram em locais específicos, nomeadamente: Rua Almeida Garrett (junto à Lavandeira), Avenida Poeta Eugénio de Andrade (Madalena) e Avenida da Liberdade (São Félix da Marinha). A expetativa passa agora por plantar um total de 10 mil árvores num período de 18 meses, num investimento total aproximado de 500 mil euros.

Para esta primeira fase foram selecionados espaços verdes já existentes e próximos de habitações, ou mesmo integrados na zona urbana. As espécies foram escolhidas de acordo com o seu porte e as características biológicas do local a que se destinam. Assim, por exemplo, para as plantações nos locais junto do mar foram escolhidas espécies que suportem a salinidade e a influência do mar. As árvores e/ou arbustos foram escolhidos atendendo à tipologia do jardim e ao seu enquadramento. No caso de espécies para alinhamentos, ruas e separadores, foram tidos em conta fatores como o porte e a altura em que podem formar a copa. Foi, ainda, considerada a sua dimensão quando adultas, de forma a não entrar em conflito com as estruturas existentes ou com a circulação viária. Entre as espécies destacam-se medronheiros, camélias, catapereiros, freixos, sobreiros, ulmeiros, tamargueiras, entre outras. 

O Plano de Arborização pretende definir os princípios gerais a considerar na utilização da vegetação na composição e valorização dos espaços urbanos, bem como realizar o diagnóstico da situação do arvoredo urbano no concelho, identificando e tipificando casos. Isto permitirá uma sistematização de procedimentos técnicos e análise crítica do comportamento das diversas espécies arbóreas presentes nos arruamentos e da sua relação com os pavimentos envolventes, para assim possibilitar uma melhor escolha das espécies a plantar na via pública, que melhor se adaptam às condições nos locais.

Findo este plano, dar-se-á início a um novo, prevendo a plantação de mais 10 mil árvores com especificidades distintas, uma vez que se tratará de espécies autóctones e árvores muito jovens, destinadas a espaços de arborização ou florestação mais protegidas da via pública.