Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 26 Nov 2019 Gaia assinala o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres Mais de 150 profissionais e público reuniram-se para refletir e alertar para a violência de género
A 25 de novembro, Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, o auditório do Parque Biológico de Gaia recebeu o seminário «Violência… Desconstruir e Agir». 
Organizado em parceria entre o gabinete de apoio às vítimas de violência do Município, o Gaia Protege+, e a Gaiurb, o evento contou com diversos oradores, que contribuíram para a formação dos presentes e fomentaram a reflexão e debate sobre as várias vertentes da violência de género. O programa abordou as temáticas da justiça e violência doméstica, casamentos forçados, tráfico de seres humanos e mutilação genital feminina, crimes que atingem, principalmente, as mulheres, atravessando classes sociais, idades e regiões.

O evento, aberto a todos, contou com uma plateia de mais de 140 participantes, composta por assistentes sociais, representantes de instituições de solidariedade, profissionais das forças de segurança, alunos universitários, advogados, políticos, entre outros. 

No encontro, os profissionais apelaram a um olhar atento e descodificador de silêncios, à urgência na prevenção geral e à consciencialização do problema. Desde o início do ano, já morreram 25 mulheres vítimas de violência doméstica em Portugal, e todos os dias são sinalizados novos casos de maus tratos. Os cidadãos têm a obrigação legal e cívica de estar alerta para a situação e de denunciar casos de violência com que se deparem. A queixa pode ser apresentada na PSP, na GNR, no Ministério Público, no Instituto Nacional de Medicina Legal ou na Polícia Judiciária.

O Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres é sinalizado a 25 de novembro, data escolhida pela ONU, em memória das três irmãs Mirabal, ativistas políticas na República Dominicana, assassinadas em 1960 pelo regime ditatorial de Rafael Trujillo.

No dia 26 de novembro, dezenas de pessoas juntaram-se no Jardim do Morro para uma ação de sensibilização que apelou à «Não Violência». O grupo, composto por jovens e adultos do sexo feminino e masculino, atou várias faixas à volta das árvores do jardim, com frases de apelo, tais como «se ele não muda, muda-te», «o lugar da mulher é onde ela quiser» ou «na violência contra a mulher todos devemos meter a colher».