Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 09 Jun 2018 Festival Internacional de Música de Gaia prolonga-se até 14 de Julho FIMG arrancou a 9 de Junho com uma ópera para crianças
Concertos sinfónicos, recitais, música de câmara, conferências e espectáculo de ópera. Estas são algumas das vertentes que compõem a 25.ª edição do Festival Internacional de Música de Gaia, que começou no dia 9 de Junho, com a ópera «Brundibar», de Hans Krása, e termina a 14 de Julho. Com o apoio do Ministério da Cultura – Direção-Geral das Artes, da Câmara Municipal de Gaia e da Fundação Conservatório Regional de Gaia, o festival tem procurado, ao longo do seu historial, apresentar obras compostas desde a Idade Média à Modernidade, contribuindo para a valorização da agenda cultural do concelho e constituindo-se como um roteiro para a fruição de obras paradigmáticas da História da Música Ocidental.



O festival irá percorrer locais com história, desde a Casa-Museu Teixeira Lopes à Igreja de Mafamude, passando pelo Mosteiro de Grijó, pelo Cine-Teatro Eduardo Brazão, pelo Auditório Municipal de Gaia, pela Igreja de Oliveira do Douro ou pelo Auditório Fernanda Correia.

Tal como nas edições anteriores, trata-se de uma oportunidade imperdível de ouvir alguns dos maiores intérpretes do nosso tempo, com destaque para a soprano Elisabete Matos ou o pianista Abdel Rahman El Bacha, tal como fez questão de mencionar Paula Carvalhal, vereadora da Cultura da Câmara de Gaia: "É uma grande honra podermos, mais uma vez, manter esta parceria. Tenho a certeza de que será um festival de primeira água. Teremos em Gaia a presença de excelentes intérpretes, que merecerão a participação de todos. Temos trabalhado em conjunto para que a nossa cidade traga mais públicos e consiga, cada vez mais, atrair o próprio público de Vila Nova de Gaia”.

O FIMG termina no dia 14 de Julho com um concerto de encerramento, no Auditório Municipal de Gaia, da responsabilidade da Orquestra de Câmara da Galiza e da soprano Elisabete Matos, com direção musical de Mário Mateus.