Política de Cookies

Este site utiliza Cookies. Ao navegar, está a consentir o seu uso. Saiba mais

Compreendi
Notícias 10 Dez 2016 Conferências de Gaia receberam sociólogo Manuel Castells Esta foi a terceira edição de uma iniciativa que tem debatido o presente e o futuro na perspetiva das cidades
Numa sessão alicerçada no tema «Uma cidade inteligente num mundo global e em rede», as Conferências de Gaia regressaram com um dos oradores mais reputados da atualidade como figura central. Manuel Castells foi, de acordo com o índice Social Sciences Citations, entre 2000 e 2006, o quarto cientista social mais citado no mundo e o mais citado em artigos académicos na área das ciências da comunicação.
A aplicação da tecnologia à melhoria das condições de vida dos cidadãos foi a proposta deixada por Manuel Castells, perante um auditório composto por cerca de duas centenas de pessoas nas Caves Ferreirinha, em Vila Nova de Gaia. "A capacidade de criar novas ideias, que melhorem a qualidade de vida, são a grande mais valia que a Internet e a tecnologia podem trazer às cidades", disse o professor da Universidade de Berkeley, na Califórnia. A crise urbana, ecológica e de representação apenas será ultrapassada "quando as pessoas foram levadas em conta". Para o sociólogo, os municípios e as políticas locais "são cada vez mais importantes", numa sociedade em que os cidadãos se "sentem menos representados".
A abertura da sessão esteve a cargo do reitor da Universidade do Porto, Sebastião Feyo de Azevedo, sendo que para o final esteve guardada a intervenção do presidente da Câmara Municipal de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues. "Cidades inteligentes, tecnologias da informação e da comunicação, redes de partilha, economia colaborativa, redes globais, sociedade do conhecimento são algumas das palavras-chave que preencheram a conferência que o professor da Universidade de Berkeley, nos EUA, e um dos pensadores mais citados do mundo, Manuel Castells, nos trouxe”, afirmou.
Esta foi a terceira edição das Conferências de Gaia, que se têm dedicado a debater o presente e o futuro na perspetiva das cidades, questionando o papel da região norte de Portugal no contexto da Europa globalizada.