Notícias 02 Set 2017 850 mil espetadores assistiram ao regresso da Red Bull Air Race Martin Sonka foi o grande vencedor desta etapa e é agora o novo líder do campeonato
Os portugueses receberam de braços abertos este aguardado regresso, comprovando como a Red Bull Air Race chama tanto os admiradores da aviação desportiva, como os simples curiosos que não resistem a um espetáculo como este. Os pilotos que por cá tinham competido entre 2007 e 2009 recordavam-se do ambiente fantástico que acompanhava a corrida, pelo que ficaram muito satisfeitos por ter novamente a possibilidade de voar sobre um cenário fantástico. Por um lado, a multidão que de olhos no céu vibrava com a passagem dos aviões, por outro, um centro histórico, Património Mundial, oferece uma paisagem maravilhosa que os pilotos puderam admirar de uma perspetiva privilegiada.



Com a luta pelo campeonato ao rubro, os pilotos não se pouparam. Foram rondas de enorme emoção e indefinição. Kirby Chambliss era um dos principais favoritos, mas sofreu uma penalização de dois segundos na final 4 e ficou assim arredado de conquistar a sua terceira vitória consecutiva. Se não tivesse cometido esse erro, teria ganho (1:09.141). Aproveitou Sonka. O piloto checo tirou Chambliss da liderança do campeonato com o tempo de 1:07.229.
Para Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia, foi "um orgulho” receber novamente a Red Bull Air Race. "É um enorme orgulho ter estado envolvido neste regresso às margens do Douro. Trata-se de um evento muito complexo, mas com impactos extraordinários na economia local, na internacionalização da nossa cidade, nas nossas memórias", destacou, acrescentando: "a região precisa destes eventos e o país também”. Também o ministro da Economia, que assistiu em Gaia às provas de domingo , partilhou desta ideia. "Vemos com bons olhos a sua continuação. É um esforço que o Governo central, as autarquias, os patrocinadores têm de fazer para que estes eventos continuem, mesmo requerendo um grande esforço de organização e de apoio financeiro”, salientou Manuel Caldeira Cabral. O governante espera que seja possível trazer o evento para o país no próximo ano, dando "continuidade a uma prova que tem, de facto, alavancado a notoriedade do Porto como cidade e tem trazido turistas ao Norte e uma enorme adesão popular”.
Depois de no primeiro dia o registo de 250 mil ter representado um recorde em dia de qualificações no campeonato deste ano, os 850 mil contabilizados superam, segundo a organização, o número total das cinco etapas anteriores da edição deste ano, realizadas noutros locais fora de Portugal.